Espondilite Anquilosante rouba, em média, 110 dias de trabalho por ano

Uma pessoa com Espondilite Anquilosante (EA) perde em média 110 dias de trabalho por ano devido a baixas, dispensas médicas ou falta de produtividade.

A informação é do estudo arEA – avaliação de Resultados em Espondilite Anquilosante, realizado pela Nova IMS, que demonstrou o elevado impacto económico da EA para os doentes, o sistema de saúde e o país. Os resultados serão apresentados e discutidos na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, dia 19 de fevereiro, às 09:30h.

arEA é um projeto da Nova IMS e da Novartis, em parceria com a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas e Associação Nacional de Espondilite Anquilosante, teve como objetivo perceber o impacto da EA na vida dos doentes e averiguar a perceção e resposta dos cuidados primários no diagnóstico e referência atempada dos doentes para a especialidade. Os resultados vão ser apresentados na conferência Doença Crónica – Saúde, Trabalho e Sociedade, da Nova IMS, Novartis em colaboração com o Expresso.

Segundo comunicado enviado ao nosso jornal, o encontro pretende analisar e encontrar soluções para a realidade revelada pelo estudo. Assim, Manuel Villa Verde Cabral fará uma análise macro sobre o impacto da doença na sociedade e à apresentação dos resultados pelo coordenador do estudo, Pedro Simões Coelho segue-se um debate com representantes dos médicos, dos doentes, e dos gestores hospitalares. Por fim, as soluções e medidas a implementar serão debatidas por um painel constituído por Luís Miranda, presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia, Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos, Óscar Gaspar da Vice-Presidente da CIP; Isabel Galriça Neto do CDS-PP e Rui Cernadas, ex-Presidente da ARS Norte.

Fonte: https://www.jornalmedico.pt/atualidade/37116-espondilite-anquilosante-rouba-em-media-110-dias-de-trabalho-por-ano.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *