Como deve ser o tratamento no SUS para crianças com Artrite Idiopática juvenil?

Como deve ser o tratamento no SUS para crianças com Artrite Idiopática juvenil?

Pacientes, associações, profissionais de saúde e interessados pelo tema poderão participar do processo de construção do escopo do documento que orientará o tratamento para a doença

Qual o conteúdo que o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) para Artrite Idiopática Juvenil (AIJ) deverá contemplar? Quais questões esse documento deverá responder? A CONITEC quer ouvir as opiniões e sugestões da sociedade sobre esse tema e, entre os dias 20 de fevereiro a 12 de março, abre espaço para a participação social por meio da enquete n° 19, sobre o Escopo do PCDT para essa doença. Clique aqui e veja a proposta.

O escopo é a primeira etapa para elaborar um novo PCDT. Neste momento é realizado o levantamento dos temas a serem abordados, identificando aqueles que são consenso na literatura e os que requerem de mais informações para obter ou promover futuros consensos.

A elaboração do escopo da AIJ contou com a contribuição de reumatologistas, oftalmologistas, farmacêuticos, enfermeiros e representantes dos pacientes. O objetivo é construir recomendações para orientar o tratamento ofertado no SUS para a doença, contemplando as particularidades de cada uma das formas de AIJ, bem como critérios para diagnóstico, tratamento e monitoramento dos casos. Por isso, é fundamental a participação dos profissionais de saúde envolvidos no tratamento da doença e também de pacientes, para dar contribuições sobre aspectos que deverão ser incluídos nesse documento.

A artrite idiopática juvenil (AIJ) é uma das doenças crônicas mais comuns da infância. De causa desconhecida, a enfermidade se inicia antes dos 16 anos de idade e persiste por pelo menos 6 semanas, sendo a sua principal característica a inflamação da articulação.

Para deter o crescimento da AIJ é fundamental que os profissionais de saúde orientem suas práticas de atenção à saúde do paciente com AIJ com base nas melhores evidências científicas disponíveis. Assim, o PCDT constitui um instrumento que confere segurança e efetividade clínica, pois reune tratamentos com comprovados benefícios na prática clínica, de modo organizado e acessível aos profissionais de saúde.

Quer participar e contribuir na construção desse novo PCDT?

Clique aqui

 

Fonte: http://conitec.gov.br/ultimas-noticias-3/enquete-como-deve-ser-o-tratamento-no-sus-para-criancas-com-artrite-idiopatica-juvenil-2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *