quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Corticóide = Baixa Auto-estima


Quando é necessário iniciar o uso do corticóide devido a doença crônica, nós mulheres logo relutamos a essa opção mais somos vencidas e nos rendemos pela dor. Com poucas doses logo os efeitos surgem, inchaço abdominal, rosto com a famosa cara de lua cheia ou cara de trakinas, relutamos com a vaidade, mas, mais uma vez somos vencidas pela dor e nos convencemos que o vilão CORTICÓIDE será nosso aliado nessa nova fase de vida. Aos poucos novos desafios surgem, novas tristezas tentam nos assolar, percebemos que aquele vestido que mais gostamos não entra mais ou que aquela calça na qual valorizava seu corpo não passam mais nas suas coxas. O que fazer?!?! Logo pensamos em parar com o corticóide, mais as dores logo nos fazem lembrar que nossa vida é quase impossível sem ele. Temos que fazer as pazes com o espelho e brigar com a balança para não entrarmos em depressão, temos que aceitar e entender que é um mal necessário para termos uma boa qualidade de vida. Se ame acima de tudo, se valorize, mesmo cheinha, gordinha, essa é a sua vida, ninguém domina ela, apenas você. Não ligue pro que falarem.Chega o tempo que temos que aceitar e conviver com os efeitos que ele nos
causa, e pedir ajuda divina para que possamos entrar na tão sonhada remissão para que ele seja retirado de sua vida. Quando o seu corpo começa a responder aos medicamentos é iniciado o desmame do corticóide que deve ser orientado e avaliado por seu médico no tempo certo. Nunca o desmame pode ser feito bruscamente, eu fiz isso e senti na pele as consequências, tive uma abstinência dele com muita enxaqueca, vômitos e o coração acelerado,que me fizeram parar na emergência e ter que tomar uma dose de corticóide para o corpo voltar ao normal. Mais consegui, meu corpo está livre dele e os efeitos com o inchaço diminuíram muito, voltei ao corpo que tinha antes de iniciar o uso. Consegui chegar a remissão, e você também pode. Tenha fé que seu dia melhor chegará. Seja feliz.




Autora: Cátia Figueiredo

Postar um comentário